Perdemos a fé ou amadurecemos?

.
Por André R. Fonseca
 — Dois homens foram ao Templo para orar. Um era fariseu, e o outro, cobrador de impostos. O fariseu ficou de pé e orou sozinho, assim: “Ó Deus, eu te agradeço porque não sou avarento, nem desonesto, nem imoral como as outras pessoas. Agradeço-te também porque não sou como este cobrador de impostos. Jejuo duas vezes por semana e te dou a décima parte de tudo o que ganho.”

— Mas o cobrador de impostos ficou de longe e nem levantava o rosto para o céu. Batia no peito e dizia: “Ó Deus, tem pena de mim, pois sou pecador!” E Jesus terminou, dizendo: — Eu afirmo a vocês que foi este homem, e não o outro, que voltou para casa em paz com Deus. Porque quem se engrandece será humilhado, e quem se humilha será engrandecido..
Lucas 18:11-14 [NTLH]

Ouvi uma amiga dizer que perdeu a fé. Na verdade, não foi a primeira vez que ouvi esta declaração; eu mesmo já me perguntei algumas vezes se não perdera a fé. Depois de muita reflexão e comparação de casos, concluí que não perdemos a fé; mas, como tudo na vida, amadurecemos. Só isso...  "Quando eu era criança, falava como criança, sentia como criança e pensava como criança. Agora que sou adulto, parei de agir como criança." 1 Coríntios 13:11 [NTLH]

O que deixamos para trás, na verdade, é a crença no mito, ou misticismo. Aquela crença ingênua em coisas quase supersticiosas que não encontram mais lugar numa nova realidade de fé amadurecida. A insistência em permanecer na idiossincrasia daquele grupo do qual você não faz mais parte é que lhe dá a impressão de que perdera a fé. 

O engraçado é que, ao chegarmos neste ponto de nossa caminhada cristã, questionamos não somente a nossa fé, mas também a tal intimidade com Deus. Somo induzidos a pensar assim por uma quebra de paradigma, pois acredito que seja exatamente a nossa intimidade com Deus que nos proporciona o amadurecimento da fé. Nossa fé amadurece na proporção de nossa intimidade com Ele.

Outra questão essencial do amadurecimento cristão, embora esquecido pelo cristianismo moderno, está além do encontro com o transcendente. Todo cristão deveria buscar ter um encontro consigo mesmo. A experiência cristã deveria proporcionar ao crente uma descoberta de si mesmo. Filosofia e Religião nunca deveriam ter se separado! Onde está o cristão convertido pela percepção da realidade de quem ele mesmo é? A conversão ao cristianismo deveria ser fruto não só do encontro com o transcendente; mas, também, pelo encontro consigo mesmo... Santo Agostinho deveria ser nosso modelo!

Não! Não estou delirando. Quando Jesus Cristo nos ensina aquela parábola do fariseu e o publicano, não resta dúvida que o mais importante na experiência religiosa cristã está no encontro do cristão consigo mesmo. Já faz tempo que propugno meu pensamento a respeito disso: "A boa teologia é aquela que mostra as qualificações de Deus e as desqualificações do homem diante dEle." Portanto, não adianta buscar um encontro com Deus e ter intimidade com Ele se você mesmo não sabe quem você é! O publicano era réu confesso, e o fariseu não cometia aqueles pecados, observava a lei, parecia fazer tudo direitinho. Jesus Cristo não diz que aquelas alegações do fariseu eram falsas, bem que poderiam ser verdadeiras. Contudo, Jesus Cristo afirma que Deus não atentou para as qualidades do fariseu, mas o publicano teve um encontro com Deus e foi aceito por Ele, porque tivera, primeiramente, um encontro verdadeiro consigo mesmo. Como você poderia humilhar-se diante de Deus sem ter a mínima percepção de quem você realmente é? A falta de reconhecimento de quem eu verdadeiramente sou me faz agir como fariseu!

Se você está atravessando a mesma crise porque passou a olhar um pouco mais para dentro de si mesmo e abandonou a infantilidade espiritual, você está no caminho certo. Agora você é adulto e parou de agir como criança - 1 Coríntios 13:11 [NTLH].

Autor: André R. Fonseca
www.andreRfonseca.com
Twitter: @andreRfonseca
Fonte da imagem: http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/3/3c/Hobby-Horse.jpg

Fonte: teologia et cetera
 

Postar um comentário

Política de moderação de comentários:

1 - Poste somente o necessário. Se quiser colocar estudos, artigos ou textos grandes, mande para nós por e-mail: bereianos@hotmail.com

2 - A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Comentários com conteúdo ofensivo não serão publicados, pois debatemos idéias, não pessoas. Discordar não é problema, visto que na maioria das vezes redunda em edificação e aprendizado. Contudo, discorde com educação e respeito.

3 - Comentários de "anônimos" não serão necessariamente postados. Procure sempre colocar seu nome no final de seus comentários (caso não tenha uma conta Google com o seu nome) para que seja garantido o seu direito democrático neste blog. Lembre-se: você é responsável direto pelo que escreve.

4 - A aprovação de seu comentário seguirá os nossos critérios. O Blog Bereianos tem por objetivo à edificação e instrução. Comentários que não seguirem as regras acima e estiver fora do contexto do blog, não serão publicados.

Para mais informações, clique aqui!

Blog Bereianos!