Atos dos Apóstolos não ensina o socialismo/comunismo

.


"Entretanto, certo homem, chamado Ananias, com sua mulher Safira, vendeu uma propriedade, mas, em acordo com sua mulher, reteve parte do preço e, levando o restante, depositou-o aos pés dos apóstolos. Então, disse Pedro: Ananias, por que encheu Satanás teu coração, para que mentisses ao Espírito Santo, reservando parte do valor do campo Conservando-o, porventura, não seria teu? E, vendido, não estaria em teu poder? Como, pois, assentaste no coração este desígnio? Não mentiste aos homens, mas a Deus" (Atos 5:1-4).

Não faz muito tempo vi o excelentíssimo senhor governador do Estado do Maranhão, Flávio Dino, comunista assumido, declarar que a Bíblia ensina o comunismo ao descrever o modo como os cristãos primitivos viviam (veja aqui). De acordo com ele, o fato de os cristãos venderem as suas propriedades e distribuírem o produto entre todos prova que o comunismo é bíblico.

Gary North desmonta a alegação de Flávio Dino, ao fazer o seguinte comentário sobre a passagem citada de Atos dos Apóstolos:

A contestação de Pedro a Ananias revelou um princípio de propriedade do Novo Testamento. No meio de um programa de caridade voluntária sem precedentes dentro da igreja em Jerusalém, ainda havia um compromisso ao princípio da propriedade privada. A prática dos apóstolos de serem depositários das propriedades dos membros da igreja local não era baseada em nenhum princípio de compulsão. A membresia de ninguém estava em risco por se recusar a doar. Os apóstolos não estavam ameaçando nenhum membro que tivesse propriedades com a perda de acesso à Ceia do Senhor. Pedro perguntou retoricamente: "Guardando-a não ficava para ti? E, vendida, não estava em teu poder?". Essa foi basicamente a mesma pergunta retórica feita pelo senhor da vinha na parábola contada por Jesus sobre os trabalhadores assalariados. "Ou não me é lícito fazer o que quiser do que é meu?" (Mt 20.15a). Foi sobre a base desse princípio de propriedade privada que Jesus usou essa parábola para ensinar sobre a soberania de Deus ao oferecer a vida eterna. Pedro aqui reafirmou o mesmo princípio de propriedade privada.
O socialismo é a rejeição da propriedade privada dos meios de produção. Essa é a razão pela qual é impossível provar a validade do socialismo pela prática da igreja em Jerusalém. Havia um compromisso fundamental com a igualdade econômica por meio da caridade voluntária, mas isso não tinha nada a ver com socialismo. Voluntarismo não tem nada a ver com socialismo. O governo civil numa economia socialista confisca o capital privado. Isso reduz a capacidade do antigo dono do capital de exercer caridade. O socialismo substitui o voluntarismo pela ameaça da violência física. O socialismo envia o coletor de impostos à porta do dono da propriedade. Ele exige a transferência da propriedade ao Estado. Se o dono recusa submeter-se, o coletor de impostos envia a polícia, que vai armada pegar tudo que o coletor exigir. O socialismo é baseado na ameaça da compulsão física. 
A declaração de Pedro a Ananias permanece como uma barreira à invocação do socialista, em favor de sua causa, da prática de propriedade comum da igreja de Jerusalém. Os membros da igreja de Jerusalém possuíam propriedades. Esse é o porquê eles foram capazes de criar um sistema de propriedade comum. Havia um mercado livre para os bens de capital. O capital tinha sido possuído privativamente no antigo Israel, e era privativamente possuído no Império Romano. Havia um mercado livre. Portanto, os membros vendiam seus bens de menor capital de giro, e davam o dinheiro aos apóstolos como depositários.
Fonte: Gary North. Sacrifício e Domínio: Um Comentário Econômico sobre Atos. Brasília, DF: Editora Monergismo, 2009. pp. 65-66.

***
Autor: Rev. Alan Rennê Alexandrino Lima
.
Imprimir ou salvar em PDF

1 comentários:

Muito bom! Parabéns pelo excelente texto!

Responder

Postar um comentário

Política de moderação de comentários:

1 - Poste somente o necessário. Se quiser colocar estudos, artigos ou textos grandes, mande para nós por e-mail: bereianos@hotmail.com

2 - A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Comentários com conteúdo ofensivo não serão publicados, pois debatemos idéias, não pessoas. Discordar não é problema, visto que na maioria das vezes redunda em edificação e aprendizado. Contudo, discorde com educação e respeito.

3 - Comentários de "anônimos" não serão necessariamente postados. Procure sempre colocar seu nome no final de seus comentários (caso não tenha uma conta Google com o seu nome) para que seja garantido o seu direito democrático neste blog. Lembre-se: você é responsável direto pelo que escreve.

4 - A aprovação de seu comentário seguirá os nossos critérios. O Blog Bereianos tem por objetivo à edificação e instrução. Comentários que não seguirem as regras acima e estiver fora do contexto do blog, não serão publicados.

Para mais informações, clique aqui!

Blog Bereianos!