Eu Repudio o Manifesto do Ministério Missão na Íntegra

image from google

Difícil não concordar que o Manifesto "Evangélico" emitido pelo Ministério Missão na Íntegra não seja um documento pró-governo. Mesmo que seu conteúdo tenha um linguajar velado, há em seu texto argumentos que são sistematicamente utilizados pelos grupos favoráveis ao PT. São eles:

1. A defesa do Estado democrático de direito, no qual dizem estar sendo atacado.
2. Parcialidade da imprensa e alarmismo midiático.
3. Respeito aos que elegeram a Dilma pela via democrática.

O que fica de fora no referido manifesto é:

1. Uma postura de condenação a já confirmada conduta imoral do atual governo nomeando o ex-presidente Lula a um cargo de ministro para obstrução da justiça.
2. Que o processo de Impeachment é legal, constitucional e em nada compromete o Estado democrático de direito, muito pelo contrário, ele o corrobora frente às irregularidades de quem foi confiado pelo voto a presidir eticamente a nação.
3. Que até mesmo pessoas que votaram no atual governo estão arrependidas e endossam o pedido de impeachment. Pesquisa recente do Datafolha demonstra que 69% classificam o governo Dilma como ruim ou péssimo.

Sendo assim, o manifesto vai de encontro ao clamor da maioria dos brasileiros e ainda desqualifica o legítimo e - dada as atuais circunstâncias - até mesmo urgente processo de impeachment (que, diga-se de passagem, não significa que vá derrubar a Dilma, pois a mesma tem direito de defesa e só seria impedida de governar constatando-se as irregularidades de sua gestão).


Mas esse tipo de discurso é conhecido daqueles que militam ou simpatizam com o pensamento da esquerda. O Pr. Franklin Ferreira, em seu recente livro, Contra a Idolatria do Estado, denuncia esse tipo de arquitetura argumentativa. Diz ele:

(...) outro aspecto do esquerdismo é somente tolerar crítica ao partido-Estado em dois casos: se elas vierem de seus quadros ou se alvejarem igualmente o “outro lado”, ou seja, a direita – de representação inexistente no Brasil. Essa seria uma prova de suposta “neutralidade” política, uma noção epistemológica profundamente ingênua e moralmente errada. Essa “isenção” no debate é apenas um jeito de ficar do lado do dono do muro.¹

Se posicionar favorável a um governo que além de corrupto e corruptor, é também detentor de uma agenda político-ideológica que em diversas esferas é antagônica ao que ensina o Evangelho, mostra como que determinadas correntes teológicas – neste caso, a Teologia da Missão Integral – tem sido influenciadas por uma ideologia que macula o ethos do cristianismo e mantém um ponto idolátrico que deve ser denunciado por todo aquele que anela pela sã doutrina. Se nós somos cristãos e temos os nossos pressupostos baseados na Escritura, logo, não podemos abraçar uma doutrina concorrente ao cristianismo. Ainda mais quando esta corrente enxerga a religião, ou melhor, a metafísica como sendo um produto da opressão, uma vez que os oprimidos a inventaram como um entorpecente que alivia a dor (ópio). Isto é pregado pelo Marxismo, ideologia-base do partido do atual governo. Todavia, endossamos que a doutrina cristã não foi fabricada. Ela é a revelação de Deus por meio do seu Filho, trazendo boas novas de salvação. Não que ela negue que existam opressores e oprimidos, essa realidade existe e se lermos os profetas, os evangelhos e as cartas apostólicas, veremos que Deus está sempre do lado dos pobres quando os ricos não agem corretamente e tolhem a justiça, devido a sua ganância. 


Marx, junto com Engels, criou uma soteriologia ao anunciar o fim da opressão quando o proletariado se rebelar contra a burguesia e tomar o poder político e econômico, controlando os modos de produção e a máquina estatal. É um enredo religioso-escatológico, pois a sociedade sem classes e sem miséria certamente chegaria (Marx tinha esperanças de ver isso ainda no séc. 19). A certeza deste mundo idílico é fruto de sua tese na luta de classes. Segundo Marx e Engels, toda a história se resume no conflito entre opressores e oprimidos, sendo que este segundo grupo, cansado da exploração acaba fazendo a revolução e subvertendo a ordem vigente. Logo, o governo do proletariado iria dar um basta no capitalismo burguês. O que os marxistas não esperavam é que o Capitalismo aliado à democracia cativava mais os trabalhadores do que o ideal revolucionário.

Defender o atual governo é depositar as esperanças de melhoria social no Estado, elevado a categoria de redentor das classes menos abastadas. Deixo-vos novamente com as palavras do Pr. Franklin Ferreira:

Nas Escrituras não há um único texto que apoie a ideia de que o cristão deve depositar a esperança no poder do Estado ou ser subserviente a um governo autoritário ou totalitário. A mensagem poderosa do evangelho (Rm 1.16), que tem o poder de produzir mudança social profunda, não depende do poder ou do controle do Estado.²

Eis o motivo para repudiarmos o posicionamento dos que subscreveram o manifesto em defesa do atual governo, chegando ao ponto de deslegitimar o processo de
impeachment e o grito das ruas, dando a entender que era um grito manobrado pela imprensa e por gente “mal intencionada”. O conteúdo do manifesto chega a alertar para que o clamor por justiça não se torne em injustiça, caso o atual governo venha a ser derrubado (é ou não é uma forma eufemística de dizer “não vai ter Golpe”, tal como fazem os correligionários petistas?).

Devemos protestar contra um mau governo. Devemos exercer nossa cidadania, de maneira pacífica, ordeira, tal como cabe aos santos se portarem. Mas não devemos nos calar, pois, omissão frente ao mal é colaborar com o mesmo. Não devemos ser cúmplices de um governo imoral e profanador daquilo que professamos crer. Contento-me em subscrever a declaração emitida por pastores, teólogos e líderes evangélicos que estiveram presentes no 10º Congresso de Teologia Vida Nova, nos dias 15 a 18 de março de 2016, em Águas de Lindoia, São Paulo. Eis um trecho: “Repudiamos o silêncio eloquente daqueles que, em nome de uma agenda ideológica iníqua, se eximem de fazer crítica profética a partir das Escrituras e, com isso, contribuem para a corrosão do estado democrático de direito”. 

Acrescentaria dizendo que não apenas o silêncio, mas o apoio eloquente de uma agenda (ou governo) iníqua deve ser repudiado. Eu repudio o Manifesto do Ministério Missão na Íntegra por entender que este não coaduna com a postura cristã frente a um governo corrupto. E você? 


Oremos por nossa pátria! Oremos por nossas igrejas! 

_______________
Notas:
[1] FERREIRA, Franklin. Contra a Idolatria do Estado: o papel do cristão na política. São Paulo, Vida Nova-2016. p. 117.
[2] Ibidem. p. 121.

***
Sobre o autor: Thiago Oliveira é graduado em História e especialista em Ciência Política, ambos pela Fundação de Ensino Superior de Olinda (Funeso). É casado e atualmente pastoreia a Igreja Evangélica Livre em Itapuama/PE.
Divulgação: Bereianos
.
Imprimir ou salvar em PDF

7 comentários

Eu lamento ver quão equivocados estão nossos irmãos do Missão na Íntegra.

Responder
Anônimo mod

Bom, não sei exatamente o que tanto reclamam o povo brasileiro. Apesar do direito do voto e de ser secreto. Quero expor que não votei no PT não por não acreditar ideologicamente no partido, mas pela Presidente escolhida na pessoa de Dilma Russef.
No entanto se bem me recordo, nosso país é uma nação democrática e não uma ditadura. Ou seja, a maioria acaba vencendo.
Isso significa que a maior parte dos brasileiros reelegeram a Dilma como presidente deste país após 8 anos do governo Lula e 4 do governo Dilma.
Acredito na democracia e na Constituição Brasileira que é conhecida como Constituição Cidadã.
Somos brasileiros e cristãos. Servimos a Deus e a Jesus Cristo. Mas na minha concepção ideológica posso ser de esquerda, pois o Brasil conquistou o direito de expressão.

Eu sou representada por este manifesto.

Espero que o Senhor guarde nosso coração da mídia e nos faça entender o que a maior parte dos brasileiros pensam com relação ao governo e não somente os formadores de opinião.

No Amor de Cristo Jesus!

Responder

Concordo com seu comentário,e lamento a passividade(travestida de caráter de pacificação) e parcialidade(viés político,infelizmente)do manifesto.
Tenho orado pelo Brasil,e participado de manifestações(pacíficas,com famílias inclusive).JESUS expulsou os corruptos do templo.
Em determidados momentos,ações se fazem necessárias.E Deus em sua soberania conduz o processo,e pode fazer infinitamente mais do que pedimos ou pensamos.

Responder

Eu me lembro de quando Ariovaldo pregava muita Biblia e um pitada de critica social....Hoje é só ativismo social e nada de Biblia infelizmente....

Responder

Pergunta: Quando eles dizem: "exigimos respeito ao voto. Toda eleição é uma convocação e um embate entre eleitores, e o voto é o suporte da legitimidade....não pode ser levianamente questionado." Vale para os Votos que o Cunha teve do povo para ser deputado e depois dos demais deputados para ser Presidente da Câmara dos deputados? OBS: Tenho nojo do Cunha e acho que esta demorando para a justiça ser justa e tira-lo de la legalmente segundo a Constituição, tenho a mesma opinião sobre a Presidente. Fica a pergunta caçar o mandato do Cunha não é golpe se usarmos o mesmo peso que eles estão usando.?

Responder

Um dos primeiros sinais da degeneração moral é quando alguém esta vendo que o seu politico esta atolado em corrupção (as evidencias são mostradas diariamente) e, mesmo assim, prefere taxar os denunciantes, a autoridade investigativa, como; golpistas, elite, coxinhas e outros adjetivos.
Esperar o que de pessoas que defendem regimes autoritários como; “Cuba, Venezuela, Bolívia...”.

Cristãos que se denominam como de “esquerda”, devem rever seus conceitos, sua fé... pois, ser de “esquerda” é ser favorável ao aborto, a ideologia de gênero, ou seja, não dá para concordar com a ideologia de esquerda e ser cristão ao mesmo tempo, pois, uma posição é excludente da outra.

Responder




Thiago Oliveira é inútil querer argumentar com a esquerda. O que me surpreende é esse apoio do MTI. Será que estão ganhando dinheiro do governo pra realizar projetos sociais? Nesse debate que vem assolando o país vejo de um lado defendendo o governo quem está querendo garantir sua boquinha, os imbecis e os desonestos.






Responder

Postar um comentário

Política de moderação de comentários:

1 - Poste somente o necessário. Se quiser colocar estudos, artigos ou textos grandes, mande para nós por e-mail: bereianos@hotmail.com

2 - A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Comentários com conteúdo ofensivo não serão publicados, pois debatemos idéias, não pessoas. Discordar não é problema, visto que na maioria das vezes redunda em edificação e aprendizado. Contudo, discorde com educação e respeito.

3 - Comentários de "anônimos" não serão necessariamente postados. Procure sempre colocar seu nome no final de seus comentários (caso não tenha uma conta Google com o seu nome) para que seja garantido o seu direito democrático neste blog. Lembre-se: você é responsável direto pelo que escreve.

4 - A aprovação de seu comentário seguirá os nossos critérios. O Blog Bereianos tem por objetivo à edificação e instrução. Comentários que não seguirem as regras acima e estiver fora do contexto do blog, não serão publicados.

Para mais informações, clique aqui!

Blog Bereianos!