O filme Quarto de Guerra e a batalha espiritual

image from google

O filme 'Quarto de Guerra' foi um dos melhores filmes que eu já assisti, tratando-se de arte cristã. Mas, mesmo assim, falta muito para ser considerado excelente.

Como é de praxe, todo filme cristão traz uma doutrina, de acordo com os pressupostos teológicos de seus idealizadores e neste filme não foi diferente. Infelizmente os filmes produzidos ultimamente sempre trazem doutrinas estranhas que são abraçadas por muitos. Uma delas, a qual creio ser a mais grave - por falta de entendimento de ambos os lados - é sobre o valor da oração. 

O filme mostra, do início ao fim, como nós devemos tratar a oração em nosso dia a dia. Até aí, sem problema algum. No entanto, o erro primordial é tratar a oração como se fosse a "arma principal" de nossa batalha espiritual.


Dois exemplos básicos que podemos ver na Bíblia que refutam essa ideia: Jesus, na tentação no deserto; e Paulo, falando de nossa batalha em Efésios 6. 

Quando Jesus foi tentado, antes disso ele que havia passado 40 dias de jejum orando ao Senhor, e aqui nós devemos entender que jejum não tem um tempo estipulado, não existe um tempo fixo para jejuar. No entanto, o jejum requer uma separação e entrega total para orarmos e lermos a Bíblia. Pois bem, após esse período de 40 dias, Jesus foi levado ao deserto para ser tentado. Como Jesus pode resistir às ofertas do Diabo? Usando a Palavra de Deus, neste caso, fazendo-se uso do Antigo Testamento (cf. Mt 4.4; Dt 8.3; Mt 4.7; Dt 6.16 e Mt 4.10; Dt 6.13).

O outro exemplo é quando Paulo disse que a nossa luta não é contra carne e contra o sangue, mas contra as potestade espirituais. O apóstolo nos mostra que existe uma armadura para resistirmos no dia mau (Ef.6.13): estar cingidos com a verdade, vestidos com a couraça da justiça (v.14); estar com os pés calçados na preparação do evangelho da paz (v.15); estar com o escudo da fé (v.16); e estar com o capacete da salvação e com a espada do Espirito, que é a palavra de Deus (v.17). 

Perceba que, o meio pelo qual Paulo diz que podemos resistir a essa batalha é a Palavra. No entanto, como eu disse acima, a oração por si só não é o único caminho, bem como somente a Palavra não é o único caminho, pois o próprio Jesus orou antes de ser tentado, além de Paulo mostrar ao final da descrição da armadura que devemos orar em todo tempo, com toda oração e súplica, vigiando e perseverando por todos os santos (v.18). 

Por fim, irmãos, em nossa batalha diária contra o pecado e as investidas de Satanás estejamos firmes e perseverantes na oração e leitura da Palavra de Deus, as duas ações devem viver juntas e nunca separadas.

Orare et labutare! 

***
Autor: Denis Monteiro
Fonte: Bereianos
.
Imprimir ou salvar em PDF

2 comentários

Anônimo mod

boa observação e comentário

Responder

Veja só, válido seu argumento, não assisti o filme, ainda, mas indiferente de ter ou não a palavra para JUNTAR a oração, conquistar a "eficácia da mesma" seria isso??? Por favor amado não crie mais uma doutrina dentro destas que já inundam o mundo evangélico, se eu orar sem a palavra, com fé, em retidão de vida e com meu coração firme no Senhor esta valendo, onde diz que não, não crie regras onde não existem, ORAI E VIGIAI, as armas do Espírito são outra conversa, mas orar é a nossa conversa com Deus, de acordo com o que cada um crê, uns tem mais conhecimento, outros menos, mas não é o conhecimento que salva é a FÉ, a GRAÇA,no Senhor Jesus e principalmente a confissão de pecados que até o último segundo estaremos confessando, NUNCA seremos perfeitos, NUNCA, entendi seu questionamento mas querendo ajudar acabou confundindo mais amado, a palavra é clara chegamos a Deus pela FÉ com nossas ORAÇÕES, ler a palavra é uma atitude de conhecimento, orar é uma atitude de FÉ e sem FÉ é impossível agradar a Deus.

Responder

Postar um comentário

Política de moderação de comentários:

1 - Poste somente o necessário. Se quiser colocar estudos, artigos ou textos grandes, mande para nós por e-mail: bereianos@hotmail.com

2 - A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Comentários com conteúdo ofensivo não serão publicados, pois debatemos idéias, não pessoas. Discordar não é problema, visto que na maioria das vezes redunda em edificação e aprendizado. Contudo, discorde com educação e respeito.

3 - Comentários de "anônimos" não serão necessariamente postados. Procure sempre colocar seu nome no final de seus comentários (caso não tenha uma conta Google com o seu nome) para que seja garantido o seu direito democrático neste blog. Lembre-se: você é responsável direto pelo que escreve.

4 - A aprovação de seu comentário seguirá os nossos critérios. O Blog Bereianos tem por objetivo à edificação e instrução. Comentários que não seguirem as regras acima e estiver fora do contexto do blog, não serão publicados.

Para mais informações, clique aqui!

Blog Bereianos!