A prisão de Satanás, o Milênio e o ímpeto missionário

.

Por Denis Monteiro


Será que o estudo de Teologia Sistemática pode ser aplicado em nossos dias? Como colocar em prática questões teológicas? Como o estudo de escatologia, em especial o Milênio (na visão amilenista), pode ser aplicado em missões? 

Neste artigo procurarei mostrar que a visão amilenista existe algo bem mais prático para o evangelismo. 

Como entender Apocalipse 20.1-4?

Antes de tentar entender sobre a prisão de Satanás e o reinado de mil anos, devemos entender primeiro como interpretar o Apocalipse. 

O sistema de interpretação mais satisfatório, para mim, é aquele conhecido como paralelismo progressivo, defendido pelo Dr. Hendriksen em seu livro Mais que vencedores, e pelo Rev. Leandro Lima, em seu livro Razão da esperança, ambos da Editora Cultura Cristã. 

De acordo com essa interpretação, o livro do Apocalipse consiste em sete seções que se desenrola paralelamente, cada uma delas retratando a igreja e o mundo, desde a época da primeira vinda de Cristo até o tempo de sua segunda vinda. 

A primeira seção: Cristo no meio dos sete candeeiros (Ap 1 – 3); Segunda seção: A visão do céu e dos Sete selos (Ap 4 – 7); Terceira seção: As sete trombetas (Ap 8- 11); Quarta seção: O Dragão perseguidor (Ap 12 – 14); Quinta seção: As sete taças (Ap 15 – 16); Sexta seção: A queda da Babilônia (Ap 17 – 19); Sétima seção: A Grande consumação (Ap 20 – 22). 

Sendo assim, agora podemos adentrar em Apocalipse 20.1-4. Tentarei responder algumas perguntas: Satanás está preso? Por que o Milênio não é literal? 

A prisão de Satanás e os mil anos

Entendemos biblicamente que o Diabo, a antiga serpente, está amarrado. Em Apocalipse 20.1-3 nos é dito que um anjo prendeu Satanás. Para tentar entender o impedimento da atuação de Satanás, vejamos a história de Jó. 

Jó 1.6-12 relata um livre acesso de Satanás para se achegar à presença de Deus junto com os “filhos de Deus” (v.6). E, tendo este livre acesso, ele acusou Jó. Mas, segundo Jesus Cristo, advertindo seus discípulos que voltavam do campo em grande alegria, disse que Satanás foi expulso do céu como um raio (Lc 10.18,19). 

A prisão de Satanás tem a ver com a primeira vinda de Cristo. Estes textos bíblicos comprovam isso:

• “Ou, como pode alguém entrar na casa do homem valente, e furtar os seus bens, se primeiro não maniatar o valente, saqueando então a sua casa?” Mt 12.29
• “Chegou o momento de ser julgado este mundo, e agora o seu príncipe será expulso...” Jo 12.31,32. 
• “E, despojando os principados e potestades, os expôs publicamente e deles triunfou em si mesmo.” Cl 2.15
• “... pela morte aniquilasse o que tinha o império da morte, isto é, o diabo;” Hb 2.14
• “... Para isto o Filho de Deus se manifestou: para desfazer as obras do diabo.” 1Jo 3.8 
• E em Apocalipse 12.5-17 nos mostra que a expulsão de Satanás foi resultado da coroação de Cristo.

Por isso, entendemos que desde a vinda de Cristo com a sua consumação na cruz, Satanás foi amarrado. Claro que não devemos entender isso de forma literal, mas simbólica. Pois, como um espirito poder ser preso em cadeias literais? 

Logo, após a vinda de Cristo e a prisão de Satanás, nós entendemos que o milênio é agora na época da igreja, segundo a interpretação descrita acima no paralelismo progressivo. Mas, este reinado não é na terra, como se ensina em outras interpretações. Vejamos o texto: 

E vi tronos; e assentaram-se sobre eles, e foi-lhes dado o poder de julgar; e vi as almas daqueles que foram degolados pelo testemunho de Jesus, e pela palavra de Deus, e que não adoraram a besta, nem a sua imagem, e não receberam o sinal em suas testas nem em suas mãos; e viveram, e reinaram com Cristo durante mil anos.” Ap 20.4

Entendemos que o termo alma não quer dizer um corpo humano, mas como o próprio João mostra, são as almas daqueles que foram mortos por causa do testemunho de Cristo. Há também referência a tronos. Em todo o Apocalipse, tanto o trono de Cristo, quanto o seu povo sempre estão no céu. Assim, os versículos 4-6 formam a visão do reinado milenar dos cristãos com seu Salvador, após eles partirem desta vida e enquanto esperam a segunda vinda de Cristo, a ressurreição e a felicidade eterna.  

A prisão de Satanás, o Milênio e missões

Simon Kistemaker observa:

Por toda a era veterotestamentária, somente a nação de Israel recebeu revelação de Deus (Rm 3.2).¹ 

Deus não revelou sua Santa Palavra para todos os moradores da terra, como observou Kistemaker acima, mas somente ao povo escolhido. Na Antiga Aliança o não judeu tinha que vir até Jerusalém para fazer parte do pacto e/ou participar das festas religiosas, mas não vemos isso na Antiga Aliança. O que vemos, são exceções: Raabe salva, Rute  confessando ao Deus Todo Poderoso e um Judeu pregando para uma nação ímpia: Jonas e os ninivitas. Mas Deus revelou em sua Palavra, por intermédio dos profetas, que os gentios seriam convidados a participarem do pacto na Nova Aliança (Rm 9.25-2; Cf. Os 1.10; 2.23). 

Na cruz Satanás é preso, mas não totalmente, pois o texto nos diz que ele está impossibilitado de enganar as nações [gentios] (Ap 20.3), não diz que ele está preso e ponto final. Como vimos acima, antes do ministério de Cristo, Israel era a única nação chamada entre todas as nações. No entanto, louvado seja Deus! Cristo amarra o valente e saqueia a sua casa (Mt 12.29), e no Dia de Pentecoste o Espirito Santo é derramado sobre toda carne (At 2.17), o que significa que o Evangelho é para todas as nações, e não apenas para os judeus. 

A era das missões mundiais havia começado e a obra enganadora de Satanás havia chegado ao fim, como disse o Senhor: “Livrando-te deste povo, e dos gentios, a quem agora te envio. Para lhes abrires os olhos, e das trevas os converteres à luz, e do poder de Satanás a Deus; a fim de que recebam a remissão de pecados, e herança entre os que são santificados pela fé em mim” (At 26:17-18). As portas do inferno não prevalecerão contra a Igreja, disse Jesus a Pedro. Toda autoridade, tanto no céu como na terra, fora dada a Cristo e, por isso, Cristo nos ordena a pregar e fazer discípulos em todas as nações.

Desde o inicio da era Cristã Satanás está preso, impossibilitado de impedir o avanço do Evangelho por todas as nações, dentre elas, os eleitos serão alcançados e serão salvos. Por isso, não podemos negar a nossa responsabilidade de pregar o Evangelho a qualquer pessoa e em qualquer lugar, porque “hoje é o tempo aceitável, eis aqui agora a salvação” (2Co 6.2), “se ouvirdes hoje a sua voz, não endureçais os vossos corações” (Hb 3.7,8). Não haverá chance para pregação e salvação após a vinda de nosso Senhor, porque o tempo é HOJE. 

________
Nota:
1 - Simon Kistemaker. Apocalipse. 2004: p. 673

***
Fonte: Bereianos
.
Imprimir ou salvar em PDF

2 comentários

Anônimo mod

Bom dia, Tadeu, Denis Monteiro e os amados em Cristo que curtem este valoroso site.
Com relação a Escatologia, temos a tendência de seguir a linha de raciocínio (ou esquema) que mais se adequa a nossa forma de pensar, dentro do Cristianismo. E isso se agrava, quando a gente só lê ou estuda, uma forma de pensar.
Dentro das quatro linhas mais defendidas hoje: Pré-Milenismo Histórico, Pré-Milenismo Dispensacionalista, Amilenismo e Pós-Milenismo, grandes homens de Deus defendem cada posição com paixão e com sinceridade em seus estudos académicos, assim como o Denis.
Creio que o mais frágil em argumentações (Pt de vista meu) e tem todo um malabarismo para montar seu raciocínio, seja o Dispensacionalismo.

As 04 posições citadas acima, tem muitos pontos convergentes, e o que me entristece, é que isso não nos aproxima. Ao meu ver deveríamos falar daquilo que nos uni, para depois, entrarmos em acordo nas divergências.
O mais sábio a fazer é estar preparado e viver em conformidade com a brevidade da vinda de Jesus. Já dizia Paulo.
Continuem no esmero do Estudo das Escrituras.

Responder

Onde enquadra a grande tribulação no seu texto...ela já existiu? toda maldade da humanidade é de unica responsabilidade daqueles que a praticam? o diabo não está agindo na vida dessas pessoas? como explicar as possessões? elas não existem? é tudo armação?

Responder

Postar um comentário

Política de moderação de comentários:

1 - Poste somente o necessário. Se quiser colocar estudos, artigos ou textos grandes, mande para nós por e-mail: bereianos@hotmail.com

2 - A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Comentários com conteúdo ofensivo não serão publicados, pois debatemos idéias, não pessoas. Discordar não é problema, visto que na maioria das vezes redunda em edificação e aprendizado. Contudo, discorde com educação e respeito.

3 - Comentários de "anônimos" não serão necessariamente postados. Procure sempre colocar seu nome no final de seus comentários (caso não tenha uma conta Google com o seu nome) para que seja garantido o seu direito democrático neste blog. Lembre-se: você é responsável direto pelo que escreve.

4 - A aprovação de seu comentário seguirá os nossos critérios. O Blog Bereianos tem por objetivo à edificação e instrução. Comentários que não seguirem as regras acima e estiver fora do contexto do blog, não serão publicados.

Para mais informações, clique aqui!

Blog Bereianos!